Amigos especiais

sexta-feira, 19 de abril de 2013

22

Medalha de Ouro

Olha só, pra quem vai esta medalha?
Para minha amiguinha Síglea...
Sabe porque?
 Pelo carinho que ela tem dedicado seu tempo por nós
pela sua criatividade e amizade, pela interação.
Ela merece isso e muito mais.

 Que o seu caminho seja sempre florido...


Que seu dia seja como o sol que a tudo ilumina...



 ..
Receba meu carinho e junto com ele estas flores para perfumar seu dia...









3

Móbile pimenta em cetim...

0

Dia do índio: Blogagem Coletiva




O Dia do índio, 19 de abril, foi criado pelo presidente Getúlio Vargas através do decreto-lei 5540 de 1943, e relembra o dia, em 1940, no qual várias lideranças indígenas do continente resolveram participar do Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, realizado no México. Eles haviam boicotado os dias iniciais do evento, temendo que suas reivindicações não fossem ouvidas pelos "homens brancos". Durante este congresso foi criado o Instituto Indigenista Interamericano, também sediado no México, que tem como função zelar pelos direitos dos indígenas na América. O Brasil não aderiu imediatamente ao instituto, mas após a intervenção do Marechal Rondon apresentou sua adesão e instituiu o Dia do Índio no dia 19 de abril. O dia do Índio tem como função relatar os direitos indígenas e faz com que o povo brasileiro saiba da importância que eles tem na nossa história.








O contato com o branco, desde o início da colonização, sempre foi prejudicial ao índio e à cultura indígena em geral, pois funciona como elemento destribalizador, provocando perda das terras e dos valores culturais. Com o tempo, perdeu-se a imensa diversidade cultural que as tribos representavam sem que chegassem a ser estudadas. Por outro lado, adaptados ao seu meio ambiente, não possuindo defesas contra as doenças da civilização, muitos sucumbiram pelas gripes, sarampo, sífilis e outras doenças. Assim, dos milhões que aqui habitavam na época do descobrimento do Brasil, somam hoje 350 mil.
Foram 500 anos onde houve escravidão, catequização, miscigenação e dizimação. Qualquer coisa que se diga sobre os índios do Brasil será pouco. A dívida do branco civilizado para com o indígena é alta e pesada demais.
Mas um fator é positivo e devemos nos orgulhar dele. Um estudo recente do geneticista brasileiro Sérgio Danilo Pena mostrou que 70% dos brasileiros que se dizem brancos têm índios ou negros entre seus antepassados. Ou seja, a maioria de nós tem sangue mestiço.
Se não justifica, pelo menos o peso de nossa consciência se torna mais leve, pois somos um povo que trás no sangue a herança das minorias ou indígena ou negra.



A vida do índio.

O índio lutador,
Tem sempre uma história pra contar.
Coisas da sua vida,
Que ele não há de negar.
A vida é de sofrimento,
E eu preciso recuperar.
Eu luto por minha terra,
Por que ela me pertence.
Ela é minha mãe,
E faz feliz muita gente.
Ela tudo nós dar,
Se plantarmos a semente.
A minha luta é grande,
Não sei quando vai terminar.
Eu não desisto dos meus sonhos,
E sei quando vou encontrar.
A felicidade de um povo,
Que vive a sonhar.
Ser índio não é fácil,
Mas eles têm que entender.
Que somos índios guerreiros.
E lutamos pra vencer.
Temos que buscar a paz,
E ver nosso povo crescer.
Orgulho-me de ser índio,
E tenho cultura pra exibir.
Luto por meus ideais,
E nunca vou desistir.
Sou Pataxó Hãhãhãe,
E tenho muito que expandir.

Autor: Edmar Batista de Souza






quinta-feira, 18 de abril de 2013

7

Monteiro Lobato e a turma do sítio. BC

A natureza só permite aos gênios uma filha: sua obra.

Um país se faz com homens e livros.

A consciência do homem comum mora no bolso, eis tudo.

Ainda acabo fazendo livros onde as nossas crianças possam morar.

Porque tenho sido tudo, e creio que minha verdadeira vocação é procurar o que valha a pena ser.

Acho a criatura humana muito mais interessante no período infantil do que depois de idiotamente tornar-se adulta.



( Monteiro Lobato: Grande escritor, aquele que fez parte da nossa imaginação de criança com suas obras maravilhosas.)

 Ainda menina vivia as fantasias descritas nos livros infantis de Monteiro Lobato, viajei com Emilia em todas as suas fantasias, visitei junto o reino das àguas claras... Saudades tenho da infância quando tudo era belo e a maldade ainda não existia.

Biografia, obras e estilo literário
 
Contista, ensaísta e tradutor, este grande nome da literatura brasileira nasceu na cidade de Taubaté, interior de São Paulo, no ano de 1882. Formado em Direito, atuou como promotor público até se tornar fazendeiro, após receber herança deixada pelo avô.  Diante de um novo estilo de vida, Lobato passou a publicar seus primeiros contos em jornais e revistas, sendo que, posteriormente, reuniu uma série deles em Urupês, obra prima deste famoso escritor.
Em uma época em que os livros brasileiros eram editados em Paris ou Lisboa, Monteiro Lobato tornou-se também editor, passando a editar livros também no Brasil. Com isso, ele implantou uma série de renovações nos livros didáticos e infantis. 
Este notável escritor é bastante conhecido entre as crianças, pois se dedicou a um estilo de escrita com linguagem simples onde realidade e fantasia estão lado a lado. Pode-se dizer que ele foi o precursor da literatura infantil no Brasil. 
Suas personagens mais conhecidas são: Emília, uma boneca de pano com sentimento e idéias independentes; Pedrinho, personagem que o autor se identifica quando criança; Visconde de Sabugosa, a sabia espiga de milho que tem atitudes de adulto, Cuca, vilã que aterroriza a todos do sítio, Saci Pererê e outras personagens que fazem parte da inesquecível obra: O Sítio do Pica-Pau Amarelo, que até hoje encanta muitas crianças e adultos. 


Escreveu ainda outras incríveis obras infantis, como: A Menina do Nariz Arrebitado, O Saci, Fábulas do Marquês de Rabicó, Aventuras do Príncipe, Noivado de Narizinho, O Pó de Pirlimpimpim, Reinações de Narizinho, As Caçadas de Pedrinho, Emília no País da Gramática, Memórias da Emília, O Poço do Visconde, O Pica-Pau Amarelo e A Chave do Tamanho. 


Fora os livros infantis, este escritor brasileiro escreveu outras obras literárias, tais como: O Choque das Raças, Urupês, A Barca de Gleyre e o Escândalo do Petróleo. Neste último livro, demonstra todo seu nacionalismo, posicionando-se totalmente favorável a exploração do petróleo apenas por empresas brasileiras. 

No ano de 1948, o Brasil perdeu este grande talento que tanto contribuiu com o desenvolvimento de nossa literatura.




Fonte de pesquisa:
Monteiro Lobato

segunda-feira, 15 de abril de 2013

5

Barrados de croche

Mais alguns barradinhos de croche, espero que gostem....







Trabalhos realizados por: Glorinha.


domingo, 14 de abril de 2013

3

Tiara de meia de seda.

Meninas, mesmo sem tempo devido à saúde de mãezinha que já está um tanto debilitada, e fico mais lá do que cá, andei reinando um pouquinho e saiu estes mimos que fiz para uma netinha minha.
Foi um trabalhinho rápido mas gostei. É fácil.
Espero que gostem.













E ai simples de fazer e fica uma graça.


segunda-feira, 1 de abril de 2013

Agenda dos blogs